Viana Vacinada: resultados iniciais mostram que meia dose da vacina induziu anticorpos

Em divulgação pública de resultados preliminares, o Projeto Viana Vacinada, com coordenação científica do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam-Ufes), constatou que, dentre os voluntários monitorados, 88,3% dos que nunca tiveram contato prévio com o vírus causador da covid-19 desenvolveram anticorpos neutralizantes com apenas metade da dose padrão para a primeira injeção da vacina AstraZeneca/Fiocruz.

O resultado foi considerado promissor. Neste domingo, 8, ocorreu o 'Dia D' de mobilização na cidade pesquisada, Viana, na Região Metropolitana de Vitória, para a aplicação da segunda etapa de imunização. Os cientistas do projeto querem saber como funciona o esquema com duas aplicações de metade da prescrição em bula do imunizante. 

A meia dose inicial foi aplicada no dia 13 de junho em 19.584 participantes, entre 18 e 49 anos, cerca de 72% da população elegível para a pesquisa, número tido como satisfatório. Desse total de voluntários, 572 foram destacados para serem monitorados com coleta de amostras sanguíneas. É deste grupo que saem as estatísticas sobre resposta imune humoral (produção de anticorpos neutralizantes) e celular do estudo. Neste fim de semana, houve a terceira coleta de sangue.

A segunda dose é necessária para aumentar a resposta à vacina e ampliar a proporção dos que produziram defesa contra o coronavírus. Ainda não há resultados de efetividade do estudo, mas, de acordo com o painel de monitoramento da pandemia do Governo do Espírito Santo, desde o início da pesquisa, com vacinação em massa, o número de casos em Viana reduziu de 1.246, no pico da crise sanitária em abril de 2021, para 214 casos em julho. O mesmo painel indica que não houve óbitos na faixa etária pesquisada na cidade depois de duas semanas da primeira 'meia dose' do Viana Vacinada.

Os voluntários do projeto, somados aos imunizados na campanha convencional de vacinação contra a covid-19, já chegam a 100% da população de Viana. Caso os pesquisadores consigam comprovar a eficácia da aplicação da meia dose, as autoridades sanitárias do mundo todo terão evidência científica para dobrarem a capacidade de imunização com a vacina da Fiocruz.

Dados preliminares

Coordenadora científica do estudo e gerente de Atenção à Saúde do Hucam-Ufes, a médica Valéria Valim apresentou os primeiros dados da pesquisa à imprensa e a representantes de órgãos governamentais. Algumas das informações preliminares são:

- Das amostras de sangue coletadas entre os voluntários que nunca tiveram contato com o coronavírus, 88,3% desenvolveram anticorpos neutralizantes com a meia dose 28 dias após sua aplicação;

- Os títulos de anticorpos neutralizantes induzidos por meia dose ou dose padrão foram semelhantes. Esse dado, no entanto, precisa ser confirmado pelos demais testes de imunogenicidade em andamento;

- Entre as amostras de voluntários que tiveram contato com o vírus antes da pesquisa, a meia dose produziu um incremento de 37 vezes na quantidade dos anticorpos contra o SARS-CoV-2;

- Não houve reações graves. O nível de efeitos adversos entre os vacinados na pesquisa foi semelhante ao de cerca de 300 trabalhadores do hospital universitário que foram imunizados com a primeira dose convencional.  A diferença constatada foi que a duração desses efeitos em quem tomou a meia dose foi mais curta.

"Os anticorpos neutralizantes são uma das formas de defesa do organismo contra o vírus. No decorrer da pesquisa, a imunidade como um todo também será avaliada, mas isso demanda mais tempo. Esse resultado preliminar não libera as pessoas de seguirem adotando as medidas de proteção não farmacológicas, como uso de máscara e distanciamento", explica Valéria Valim. 

As próximas fases do estudo preveem nova coleta nos dias 11 e 12 de setembro, para avaliar a produção de anticorpos protetores, chamados neutralizantes, bem como a produção de células de memória para defesa. Esses testes serão acompanhados em intervalos de três, seis e 12 meses após o estudo. O projeto de pesquisa também prevê o sequenciamento genético de todos os casos positivos de covid-19 em Viana para o rastreio de eventuais variantes do vírus que gerem preocupação.

'Resultados animadores'

"Imaginamos quantas pessoas foram salvas em Viana com essa vacinação. Não tivemos óbitos entre as 19.584 pessoas após 28 dias de terem recebido a vacina. Isso deve ser destacado para motivar as pessoas a receberem a segunda dose. No Dia dos Pais, tivemos pais que se salvaram com a aplicação dessa vacina", declarou o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (foto ao lado), durante a solenidade.

A campanha para a segunda dose ocorreu nos mesmos moldes da primeira. Os voluntários fizeram agendamento on-line no site da Prefeitura de Viana, e os locais de vacinação imitaram os endereços das seções eleitorais do município.

"É um enorme prazer e um orgulho enorme da Universidade participar desse projeto e poder trazer esses resultados, confirmando a importância de se trabalhar com ciência. Os resultados preliminares são muito animadores", avalia o reitor da Ufes, Paulo Vargas (foto ao lado).

Os resultados de eficácia pós segunda dose e os parciais de efetividades serão disponibilizados em outubro de 2021.

"Quero falar sobre a felicidade de ver que estamos colhendo resultados de todo nosso esforço e todo nosso empenho. Quando iniciamos a campanha, não havia disponibilidade de vacina para a faixa etária pesquisada", disse o prefeito de Viana, Wanderson Bueno. 

A solenidade também contou com a presença do gestor do Ministério da Saúde no estado, Bartolomeu Lima; do secretário estadual de Saúde, Nésio Fernandes; da representante da Organização Pan-Americana de Saúde, Lely Guzmán; e da superintendente do Hucam-Ufes, Rita Checon.

O Projeto Viana Vacinada foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hucam e pela Comissão Nacional de Ensino e Pesquisa (Conep). A pesquisa está sendo executada por meio de uma parceria entre o Ministério da Saúde (MS); a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS); o Instituto René Rachou, da Fundação Oswaldo Cruz; o Hucam-Ufes; a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), por meio do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi); e a Prefeitura Municipal de Viana. 

Leia mais: 

Viana faz vacinação em massa para projeto de pesquisa coordenado pelo Hucam-Ufes
Pesquisa em Viana vai avaliar eficácia de imunização com dose reduzida da vacina AstraZeneca

 

Texto e fotos: Duilo Victor - Unidade de Comunicação do Hucam-Ufes
Edição: Thereza Marinho

 

Publicado em 9 de agosto de 2021.

 

Tags: 
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910