Informações sobre a doença

Um novo vírus que se espalhou a partir da região de Wuhan, na China, foi classificado inicialmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como emergência internacional e, em 11 de março de 2020, passou a ser considerado uma doença pandêmica. Ele pertence à família dos coronavírus, um grupo que reúne desde agentes infecciosos que provocam sintomas de resfriado até outros com manifestações mais graves, como os causadores da SARS (sigla em inglês para Síndrome Respiratória Aguda Grave) e da MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio).

No Brasil, o primeiro caso de COVID-19 (nome com o qual a doença causada pelo novo vírus foi batizada) foi confirmado em 26 de fevereiro de 2020. Milhões de casos já foram registrados no Brasil e no mundo. Com letalidade entre 0,5% e 3%, o novo coronavírus já causou mais de 100 mil mortes no Brasil*. Entretanto, a maior parte dos casos da doença é leve ou mesmo assintomática, podendo não ser reconhecidos e manter a cadeia de transmissão da doença.

Com o registro de casos no Espírito Santo, inclusive de transmissão local, esta página tem o objetivo de concentrar as principais informações relativas ao novo coronavírus para orientar a comunidade acadêmica e a sociedade.

As medidas de prevenção são essenciais para reduzir a transmissão da doença. Veja abaixo algumas orientações em relação ao COVID-19. As informações foram fornecidas pela nota conjunta da Ufes com as universidades federais de Ouro Preto (Ufop), do Rio de Janeiro (UFRJ), de Pelotas (Ufpel) e de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), bem como pelo Ministério da Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Veja também as cartilhas produzidas pela Ufes sobre a COVID-19, com base em diversas áreas do conhecimento

Como prevenir o contágio:

  • Use máscara ao sair de casa (veja mais sobre isso abaixo);
  • Lave as mãos com água e sabão ou use álcool em gel;
  • Cubra o nariz e a boca ao espirrar ou tossir;
  • Evite aglomerações se estiver doente;
  • Mantenha os ambientes bem ventilados; e
  • Não compartilhe objetos pessoais.

Transmissão do vírus

A transmissão ocorre de pessoa para pessoa, por meio de gotículas respiratórias expelidas pelo nariz ou pela boca quando a pessoa infectada espirra, tosse ou fala. As gotículas podem ficar depositadas em objetos ou superfícies por horas e é possível contrair o vírus ao tocá-los e depois colocar a mão nos olhos, no nariz ou na boca. Também podem ser transmitidas por toque direto ou aperto de mão.

Uma pessoa pode incubar o vírus pelo período de dois a 14 dias. Esse novo vírus requer atenção, uma vez que pode ser transmitido por pessoas assintomáticas e apresentar resultado positivo mesmo após a cura da doença.

Em relação às pessoas doentes, recomenda-se guardar dois metros de distância.

Sintomas

Os sintomas clássicos são febre, fraqueza muscular, tosse seca e dificuldade para respirar. Em alguns casos, pode haver coriza, obstrução nasal ou problemas gastrointestinais. É preciso ficar atento e, diante desses sintomas, procurar atendimento em uma unidade de saúde.

Uso da máscara

  • Limpe as mãos antes de colocar a máscara.

  • Inspecione a máscara para verificar a existência de rasgos ou buracos, não use uma máscara que esteja danificada.

  • Ajuste a máscara para cobrir sua boca, nariz e queixo, sem deixar lacunas nas laterais.

  • Evite tocar na máscara enquanto a estiver usando.

  • Troque sua máscara se estiver suja ou molhada.

  • Limpe as mãos antes de tirar a máscara.

  • Retire a máscara removendo-a por trás das orelhas, sem tocar na parte frontal da máscara.

  • Limpe as mãos após remover a máscara.

Cuidados corretos:

-Se a sua máscara de tecido não estiver suja ou úmida e você planeja reutilizá-la, coloque-a em um saco plástico descartável limpo e hermeticamente fechado. Se você precisar usá-la novamente, segure a máscara nas alças elásticas ao removê-la do saco.

-Lave as máscaras de tecido com sabão ou detergente e de preferência com água quente (pelo menos 60 graus) pelo menos uma vez por dia.

-Se não houver água quente, lave a máscara com sabão/detergente e água à temperatura ambiente, seguida de fervura da máscara por 1 minuto. Outra opção é embeber a máscara em cloro a 0,1% por 1 minuto e enxaguá-la completamente com água em temperatura ambiente (não deve haver nenhum resíduo tóxico de cloro na máscara).

-Garanta que você possui sua própria máscara e não a compartilhe com outras pessoas.

*Considerando dados de 1 de setembro de 2020.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910